sábado, 17 de dezembro de 2016

Um inseto, de Rogério Batalha

para Alexandre Faria e Oswaldo Martins 

ontem
abri o peito
(dentro)
vivia um inseto amarelo
(sobre meus escombros)
a ele dei o nome de:
canto.

Nenhum comentário: