quinta-feira, 20 de junho de 2013

Rasgando o bloco de notas do E63



Vista dos confins mais distantes do espaço, a Terra não é maior que uma partícula de poeira. Lembre-se disso a próxima vez que escrever a palavra humanidade (...)
Quando finalmente me puserem contra a parede e apontarem seus rifles para o meu corpo, a única coisa que vou pedir a eles é que me tirem a venda. Não porque esteja interessado em ver os homens que vão me matar, mas quero poder olhar para o céu outra vez (...) fitar uma última vez o infinito que gane.(Paul Auster)

Sob tortura

tem cuidado de sarar
tem cuidado de velar
tem cuidado de dar mão
meu é o cuidado
de quem cala
(sem data)

A história não faz filhos
Em quem vive nas filas
dos bancos.
Acontecimentos religiosos
da raça são: o carnaval, católico
e o sarau, protestante.
(sem data)

Aranjuez
E porque não há o que diga
O que dê conta do solo de cordas sem palavras
O poeta cavalo da humana falha
Repete mon amour

Da música não o som, o movimento
Do quadro, não a imagem, o movimento
Na dança dos homens a conexão
Do sabido com o desconhecido, poesia
(19/03/2012)


Uma canção do chico:
Mas agora eu tenho a lira tenho paz ... Meu amor onde é que você estava

Há leveza nos dias, calma pro trabalho, fé na vida. Começo a parar de duvidar do que não sei. E nem tanto esplendor nem tão tenebroso, se o amor brota crescido.

Donaldo Schuller Heráclito -
Capítulo 1 - Rio sem discurso
Cap. 2 aforismo e poema de haroldo sobre a fisis.

Lá no meu interior
Tem uma coisa que não tem nome
Quando eu dou nome à coisa
A coisa some
(Roque Ferreira)

É meu filho. E daí? Fiz até onde pude. Mais não faço. Tá com ele. É dele. No  início eu ainda ia lá, trazia ele pra casa. Dava conselho. Dizia o que é bom. E em troca, o quê, o quê?
Comecei a me sentir velho. A achar que sei de coisas que os mais moços não sabem. Que fazer?
Cabelo branco, meia bomba, meio bambo. Nada disso conta muito. Nem pede perde respeito. O que não tem jeito mesmo é se entrar numas de dar conselho. Saber que sabe demais dizer que tem o caminho que pode ajudar. Depois vai esmolar cabisbaixo desculpa pra tudo onde esbarra. Não tenho dúvida, calo o conselho e vou pra zona. Ponho esses moços pra tocar na jukebox. Dou uma puta duma trepada.

uyuco
Pasadena - 16614623
Cocina de socorro
Castilho da san felipe
Baluarte de santissimo
El saqyeo de Malagana
Tostao e slow
Joaquin Sabina
Paul delvaux mulheres de vida galante

D95 hasta calle 72
Qualquer n B
Hasta portão norte
H92 Jimenez
J95

Odeio as vítimas que respeitam seus opressores. (Jean-Paul Sartre)

A verba de alguns editais


Aposta A: 03 08 16 18 22 23
Aposta B: 15 18 28 34 36 42
Aposta C: 10 13 16 18 37 47


Crianças invisíveis

hidroquinona 5% creme

“Dentro da noite veloz”, mais um tijolo para o muro Che

Nasci e nasceu comigo o deus do amor
- que fará o amor quando eu me for? (p. 41)
Adonis. Poemas. Tradução: Michael Sleiman. Companhia das Letras, 2012.


Devir
Mané que sabe que é
Malandro é.


O professor de português
(sem crime)
Era só mais um Silva
Cuja estrela não brilha

Herkenhoff
Cafres


O Sarau Poético começou em 2001, no Pré-Vestibular Comunitário de Manguinhos, promovendo a literatura e a cidadania através da apresentação de poetas e artistas do território e também de convidados.
Atualmente acontece sempre no primeiro sáb
O Sarau Poético começou em 2001, no Pré-Vestibular Comunitário de Manguinhos, promovendo a literatura e a cidadania através da apresentação de poetas e artistas do território e também de convidados.
Atualmente acontece sempre no primeiro sábado de cada mês,
na Biblioteca Parque de Manguinhos.
Blog: poesiamanguinhos.blogspot.com.br/


Há milênios um poço é um poço. As cidades mudam mas os poços são feitos da mesma maneira e atendem à toda a comunidade. Seu trabalho é sempre para o outro. E você o faz bem. Leva contigo teu poço e tira dele a água que é de todos. E você s
Há milênios um poço é um poço. As cidades mudam mas os poços são feitos da mesma maneira e atendem à toda a comunidade. Seu trabalho é sempre para o outro. E você o faz bem. Leva contigo teu poço e tira dele a água que é de todos. E você sempre a divide. Há os que quebram o balde (que na época dos chineses era de barro) ou têm a corda curta. Tua corda não é curta e você é cuidadosa. Profunda e humana. Tudo indica boas chances. Sei que no momento qual cidade é muito importante para você. Sobre essas mudanças, não dá pra ter certeza, mas parece que o momento vai servir mesmo para você conhecer mais fundo e melhor seu poço. Carinho grande. Na torcida. Tamo junto.


Plano de suicídio

Quem fuma suicida aos poucos
Por isso deixei de fumar
Vou por fim à vida de vez
Mas não antes de ver o que há
Ainda tenho mais vinte livros
Pra escrever uma coleção
De eternos clássicos por ler
E tantos doutores pra formar

Não muitas mas especiais moças
Que inda não me viram
com os olhos
com os olhos do meu tempo
Me darão trabalho convencer

Tanta coisa pra fazer
Tanto filho pra criar
Que, acho, só chego ao meu intento
Lá pros noventa cento e poucos anos
Talvez então não haja mais pressa
Quem sabe até volto a fumar
(sem data)


Paula e Bebeto
Léo e Bia
Eduardo e Mônica

As paisagens tão bem guardadas

música de antoine e colete

O essencial é vivido na presença, as objetividades no passado. Martin Buber

Enquanto canções costuram
Na voz das massas
A dor das ausências
Estaremos na mesma

Merda!

Só hoje não a presença de quem falta
Mas o dia pra quem me der ou vier.


o ouro do não dito
ou o toque de midas
dos bons conselheiros

engolir os sapos
ou berrar cabrito

passam fome os bichos
que não tagarelam
ou papam mosquito

Nelson Rodrigues (Carolina Barreto)
Ingredientes:
8 sachês de chá preto
1 envelepo de refresco em pó de laranja light
Água
Modo de fazer:
Faça um chá bem forte (use 6 copos de água para os 8 sachês de chá)
Prepare o refresco com um litro de água gelada. Use só um litro, não vai fazer um refresco muito ralo!
Conserve o refresco na geladeira enquanto o chá esfria. Nelson Rodrigues é para se beber frio.
Depois, a mistura deve ser feita no próprio copo, na hora de servir. Comece com um meio-a-meio, prove, aprecie lentamente, fazendo o líquido percorrer todas as regiões da língua. E depois vá graduando, haverá momentos em que você desejará mais chá, em outros mais laranja.


Centro do Rio. 20h. Lojas fechadas. Sacos pretos de lixo na rua. Pretos de lixo na rua. Na minha cabeça um som antigo dos Titãs. Você já tentou varrer a areia da praia?


16829 campa do zozó


Adoro a ideia de envelhecer, acho um privilégio. Se a pessoa adquire bonsa hábitos, zela por si e consegue manter a saúde, não há período mais belo na vida, quando você se soma à sabedoria. (Gilberto Gil)


letra cursiva observar ordem
Pre - momento de grande mudanças
Eles não escrevem só no papel.
não pegar na mão para encrever
Não apagar nem dizer que está errado - desestimula
Não há mordidas : mas tapas - brincam de super homem
Organização da rotina
Jogo americano é pra massa. Impirtante enviar tolhinha todo dia.
Projeto livro da vida = caixa de preferências - sentar na cadeira da tia.
Nome no uniforme
Ficha do livro para casa - só fazer o lado que está com a data.
Pintura do livro - só com lápis de cor
Ativodades de cobrir só com grafite
- atividade de casa - quartas e sextas
- dinheiro na bolsinha - porta niqueis preso
- sucos potes talheres tudo com nome
- é proibido colher descartável
- copo sem tampa
- avisar se for faltar mais de 3 dias seguidos.
- crachá não é mais necessário - enviar na agenda para os passeios
- projeto turma da mônica


Aquela canção

no meu lugar mil amores em cada
mercado emboscada a vida toda
mácaras de bin ladaen vias-lácteas
de bilac escadas nas calçadas gatos

pardos nos espetos pretos velhos
santos bambas cordeiros de ebós
e umas pombas de tirar o pecado
do mundo quando o samba come

no criacionismo doido das escolas
o diabo senta corno cala o toque
afogo o fígado como ganso de foie-gras

e ainda que o baleiro rode e pare em nova iorque
deixo a vida me levar - cada dia uma esmola
no exílio eterno do sempremesmo meu lugar


Jukebox

e não vem baleiro
arlindinho
nem vinícius com toquinho

o diabo senta corno
cala o toque
tecla sóbrio lupicínio
no altar da jukebox

ipanema itapoã
madureira nova iorque

não vem que não dá
o anjo exterminador
é sempre mesa de bar


"O individuo que escolhesse seguir o caminho dos estudos seria, obrigatoriamente, levado na direcao da Igreja (...) é claro que que nao precisou de muito para que o "tornar-se clérigo" passasse a significar "tornar-se livre" e, deste modo, a vocacao espiritual deixou de ser da adesao às abadias e monastérios da Igreja.
(...) E nao deveria estranhar que a poesia dos goliardos tenha surgido ao mesmo tempo em que a usura tornou-se uma pratica social comum (...) Essa coincidencia marca na verdade, a um so tempo, o canto dos cisne da poesia antiga ainda escrita sob inspiracao classica e o inicio da era do capital, em cujo fundmento economico nao se inclui a poesia, enquanto outras artes, mais tangiveis e menos questionadoras terao seus valores ampliados.
(...) esse canto do cisne também se relaciona com o surgimento das universidades (sec XI e XII) e do intelectual universitario (...) estabelece um padrao cultural livresco que banira a oralidade das bases criativas da poesia.  (João José de Melo Franco)


Bolo de laranja
1 xc /2 de manteiga
3 gemas
2 xc açúcar
misturar até virar um creme esbranquiçado
3 xc farinha
3 clara em neve
1 col sp fermento
misturar
jogar por cima no final suco de laranja com açúcar


Esperava muito das pessoas
Que passou não gostar de gente
Nem esperar nada de ninguém