quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Autoficção paterna


No corredor do Shopping vendedores em camisetas perfiladas estampavam caracteres góticos sobre fundo preto. Parecia a capa de um cd dos Racionais. Uma loja de discos, pensei. Não, sandálias. Todas as cores, figurativas, abstratas, arabescos, florais, customizáveis com a cara do cliente. Sandálias. Tem Engenheiros do Hawaí, perguntei. Não, essa não, a vendedora foi solícita ao negar. Clarice deslumbrava com uma, rosa, das princesas. Quando papai era garoto, falei puxando-a pela mão, meia dúzia de cores de sandália bastavam às sapatarias, e havia lojas de discos. Não liga não, papai, ela tentou me consolar, daqui uns anos eu fico grande e essa distância entre nós acaba. Sorri pensando se de fato, um dia, ela vai sentar comigo, pedir um chopp e chorar suas dores. É filha, não é má a possibilidade de pisar princesas. E fomos pro parquinho brincar.